De samba canção

Último dia da primeira fase de férias. Esquisito isso de estar de “férias”… Sem rotina, sem pendências, sem metas a cumprir. Tudo solto. Sempre imaginei como os homens se sentiam ao usar samba canção. Acho que entendi. É  um solto bom. Dá nervoso ás vezes, mas quando a gente aprende a relaxar, tudo fica delicioso!

E hoje relaxei. Parei de pensar, de racionalizar. E aproveitei. Talvez porque Clara e Ben estejam aqui (irmã e primo da Fabi, respectivamente) e a lembrança dos 15 anos tenha me pegado de jeito. Lembrança de quando não haviam muitas preocupações a não ser o dever de casa de amanhã. E eles dois me ensinaram muito. Me ensinaram como minha infância poderia ter sido (bem) mais leve. Como poderia ter levado tudo com mais gargalhadas. Como é, sim, possível ser um adolescente consciente, maduro, mas que não leva tudo tão a sério. Como balancear a vida na comunidade judaica com a vida fora dela. E com eles, ri muito.

Amanhã começa outra fase. Chego no Kibbutz Lotan pra começar o aprendizado sobre permacultura e sobre tantas outras coisas que ainda não sei quais são. Hora de viver em comunidade e em comunhão com a natureza. Ok, será no deserto, num calor inenarrável. Não consigo imaginar que natureza é essa com a qual vou me deparar… mas certamente verei um dos céus mais lindos da minha existência. E na lua cheia. Ah! A lua cheia…

Não sei como ficarão os posts nos próximos dias. Na verdade, não sei se terei quarto, cama ou chuveiro, quanto mais acesso a internet. E isso me fascina. Nunca antes não soube. É hora de não saber, de entregar, de confiar.

E de agradecer.

Esse post foi publicado em na cabeça, no coração. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para De samba canção

  1. Paula disse:

    É verdade! Hoje, conversando com meninas de 15 anos percebo o quanto elas podem viver com muito mais tranquilidade, sem aumentar TANTO problemas banais. Sem se incomodar TANTO com tão POUCO. É claro que eu me espelho nelas e vejo como eu mesma poderia ter vivido aquela fase com muito mais leveza assim como eu devo viver essa minha fase (de garota de 21 anos, sem perspectiva muito clara de vida) com mais leveza também. E todas as outras fases. E a vida inteira pela frente. Rir e amar o dobro, todos os dias.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s