Indigo, Shmindigo

Back to real life. Nos últimos dias estive em uma dimensão paralela, que não me encantou. Fui ao Indigo Festival, 3 dias supostamente voltados para música boa, healing e contato com a natureza. Supostamente. Foram 3 dias de tunt-tunt, drogas e muito lixo produzido.

Ao chegar, uma sensação estranha, de não pertencimento e infelicidade. Depois de um mergulho no Kineret á noite, achei que tinha me descarregado. Não. A música ininterrupta e um tanto agressiva parece incitar as pessoas a viver cada qual na sua individualidade, sem troca, sem harmonia. A sensação crescia dentro de mim. Se transformando em enjôo.

Fui dormir cedo, ás onze da noite. Ou melhor, tentar dormir. Nossa barraca ficava no Oriente Médio. Bem no meio dos 3 palcos. Poluição sonora da pior qualidade. Acordava de meia em meia hora.
Ás seis da manhã, a claridade e calor me fizeram acordar de vez. Aparentemente, todos nós (fui com amigos do Kibbutz Lotan) tivemos o mesmo mal estar e comemos, juntos, café da manhã do lado de fora das barracas. Pêssego, pão e geléia.

Eles queriam dançar. Lá fomos nós pro palco principal. Sim, haviam coisas interessantes acontecendo por lá, apesar de eu não conseguir me comunicar com a música. Visualmente, tirando as olheiras de uns e outros, que chegavam até o queixo, as fantasias captaram minha atenção. Depois da dança, mais um mergulho no lago. O lixo começava a me incomodar. Que juventude é essa que não se olha nos olhos, joga lixo indiscriminadamente, que não se importa com sua saúde?

Decidi ir ao workshop de Rebirthing. Sábia decisão. É um método de respiração consciente que se diz capaz de promover o profundo auto- através da integração corpo, mente, emoção, energia. Foi forte, muito forte. Chorei, gargalhei, relaxei, me conectei depois de uma hora e meia respirando, deitada de olhos fechados. E saí de lá mais protegida. Com um olhar mais macro de tudo o que acontecia a minha volta. E as palavras da Sam coroaram o processo: “Olho em volta, e vejo as pessoas com profundas e negras questões a serem resolvidas. Fico feliz por não ter nenhuma delas. Posso dançar em paz.” Foi a chave pra eu me jogar na pista de dança. Felizmente, a música nesse momento era uma mistura de eletrônico com tambores tribais. Boa música, finalmente!

Dancei como nunca havia dançado, como não achava que era capaz de dançar. Dancei sem regras, sem padrões, sem articulações. Dancei e meditei. Por umas 2 horas. Simplesmente porque me liberei da interferência alheia. Por que me protegi da energia pesada a minha volta. Por que me conectei comigo mesma. E atingi um estado elevado de consciência. Sem aditivos, sem “ajuda” externa. Era eu comigo. Sem olheiras, mandíbulas trincadas, desidratação. Com alegria, muita alegria.

A sensação de não pertencimento foi embora. Não porque me senti pertencendo a aquela tribo, mas porque voltei a me conectar comigo e com o todo. Sim, havia tristeza ao olhar para os lados e perceber que temos muito trabalho pela frente. Que minha crença em uma juventude consciente ainda é um pensamento romântico. Mas me permiti enviar luz sem perdê-la. Me permiti multiplicá-la. E essa atitude já ajuda. A mim e aos outros.

Ver a quantidade de lixo gerado, os banheiros químicos borbulhando em esgoto, prejudicando todo o eco-sistema ao redor me tocou. Porque não espalhar latas de lixo reciclável pelo campus? Porque não entregar um saco de lixo para cada um? Porque não cavar um buraco em cada um dos banheiros químicos e aproveitar para compostar? Ideias simples que poderiam mudar a relação das pessoas com o ambiente que as cerca.

Ainda temos um longo caminho pela frente.

Tic-tac, tic-tac. O tempo está correndo. 2012 está aí. É hora do upgrade energético.

Esse post foi publicado em na alma, no coração e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Indigo, Shmindigo

  1. chastar disse:

    ups, babe, achei que ia postar só link, mas foi o vídeo todo, se quiser pode tirar, viu? Esse filme é maravilhoso, veja! e explica muita coisa do que vc disse….
    bjins, saudades,
    Cha

  2. denise disse:

    lágrimas indigo de joy (estou aprendendo com vc e entrando no seu dna ). Tinha entrado no site e me perguntava se vc iria curtir um woodstook atrasado no meio do teu caminho tão conectado com o natural e positivo. UAU, vc não curtiu e fez o melhor disso! Que oportunidade. DANCE, CANTE, ENCANTE! beijos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s