Que azeitona deliciosa!

Neot Semadar: day 1

Café da manhã. Nem tive a chance de passar pela situação embaraçosa de comer sozinha no refeitório por não conhecer ninguém. Até passei, mas não foi embaraçosa. Aqui, todos comem sozinhos. Em  silêncio, se relacionando profundamente com a refeição e tudo o que ela engloba.

Alface, tomate, cenoura, pepino, repolho, ervas, ovos, queijo, tehina, azeitonas, cebola, pão integral, geléia, pesto. Os vegetais todos numa travessa, descascados mas não cortados. Observo o comportamento geral. Chop, chop, chop. Uma barulheira de facas encostando no prato.

Pego a cenoura. Pico em quadradinhos pequenos. Metade de um pepino, corto em rodelas. Metade de um tomate, em fatias. Repolho, ovos, queijo, azeitonas, cortados pequeninhos. Pico tudo, o que demora um pouquinho. Provavelmente, não demorou tanto assim, mas quando você está 100% concentrado no picar, sem se distrair com a história do seu companheiro de mesa, parece uma eternidade. Eternidade suficiente para eu me dar conta que estava prestes a comer. E só comer. Quase pego uma fatia de tomate antes de acabar o processo, mas penso de novo. Ainda não estou pronta pra começar. Azeite, sal e limão pra temperar. Misturo tudo. Estou pronta. Pego meu garfo.

Primeira garfada. Tomate, pepino e queijo. Segunda. Repolho, azeitona, cenoura. Que azeitona é essa? Deliciosa! Terceira. Ovo, queijo, pepino. Amanhã preciso cortar o pepino mais fininho. Essa garfada está com muito sal. Preciso misturar mais. A cada uma delas, uma sensação diferente, uma sutilização das papilas gustativas. Nenhuma delas é igual a última.

Surpreendentemente, o silêncio não chama minha atenção. Estou muito ocupada com os gostos e com a movimentação a minha volta. É tudo muito novo. Percebo os diferentes formatos que o tomate pode ser cortado nos pratos ao meu redor. Fatias, quadradinhos grandes, pequenos, triângulos, rodelas. Percebo como as pessoas levantam seus braços quando precisam de um refil de algo. Algumas esticam o braço todo, bem alto. Outras só levantam o dedo. Umas esperam o responsável olhar e o chamam. Outras continuam comendo com o braço direito e ficam com o esquerdo levantado. Algumas são canhotas. Percebo a fluidez com que as pessoas vão adentrando o refeitório. Não precisam pegar seu prato, passar pelo Buffet, decidir o que comer, em que mesa sentar nem com quem sentar.

Aqui, eu entro e sento na primeira cadeira disponível, em sentido horário. Meu prato, talheres e copo já estão na minha frente e a comida está servida em travessas e potes, ao lado de um pequeno vaso com flores, azeite, sal e pimenta.

Depois de comer tudo o que inicialmente coloquei no prato, não sinto vontade de comer mais, como de costume. Estou 100% satisfeita. A curiosidade de comer tudo o que não provei hoje: pão, pesto, geléia e mais umas outras poucas possibilidades poderá ser sanada nos próximos 29 dias. Como não posso conversar, não tenho aquele 2º prato social, que se come no intuito de permanecer no papo. Não entrei aqui pra comer? Comi.

Pego meu prato, talheres e copo e levo pra sessão de limpeza. Aqui, o último a sair da mesa tira travessas e potes. Sou a penúltima e ofereço ajuda pro último. “A kol beseder”, ele me responde. “Está tudo bem”, como quem diz pra eu não me preocupar. Saio do refeitório com um copo de café em pó ruim com leite de cabra bom e sento numa sombra disponível.todos estão por aqui, com seus copos de chá, água, leite ou café. Em duplas, trios ou sozinhos. Alguns pouquíssimos rostos já conheço de ontem a noite, mas não lembro de seus nomes, sou péssima nisso…Troco sorrisos, mas sento sozinha pra escrever isso aqui á mão, no me caderninho. Nunca escrevi tão devagar, com a grafia tão linda e trabalhada. Cada palavra vem calmamente, sem garranchos, sem pressa de terminar. Sem a ansiedade que carregava nesse mesmo momento no kibbutz Lotan. O que 6 semanas e meia e uma refeição em silêncio não podem fazer por mim…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse post foi publicado em na alma, na cabeça, na saga e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Que azeitona deliciosa!

  1. Dani disse:

    Tô chorando de emoção, Muitas reflexões, muitas sínteses, muita magia meu amor! E eu sinto tudo daqui, vivendo outra magias fantásticas! Vc ta aqui e eu tô aí! Somos 1 rs.. Te amo!

  2. Ana B. Galeão disse:

    Carola linda,
    Seus textos me levam até aí.
    Sua luz ilumina até aqui.
    Obrigada.
    beijo grandão

  3. Marisol disse:

    muito bom! muito bom!

  4. Denise disse:

    lindo, muito lindo.
    Acabo de lavar a louça do café e me deparei com seu multiprocessador na bancada, esperando você preparar seu suco VIVO.
    Mas acho que VIVO mesmo é este seu novo café da manhã.
    E seu olhar, cada dia mais emocionante.
    Êta menina observadora. LIKE muito!

  5. gabi disse:

    esse post me lembra uma parte do Profecia Celestina, que ele diz o quanto é bom fazer cada coisa prestando atenção nesta coisa de fato… Comer pensando na comida e sentindo o gosto dela, ler esse post de manhazinha, no silêncio, e sentir você, aqui, na minha frente (só que comendo brigadeiro, rs!), me contando isso só com o olhar. Viver o presente incondicionalmente, é isso. TE AMO!

  6. Paula disse:

    Estou fascinada pelo seu blog! Já são 3:00 da manhã e eu não me canso de ler! Pensei agora a pouco: você poderia fazer um livro sobre as suas experiências, não acha? =]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s