Longe, cada vez mais perto

Hoje, às 00:23, me abaixei pra olhar meu rosto no pequeno espelho apoiado na pia do banheiro de uma outra voluntária do kibbutz, depois de um banho quente pra selar as 12 horas de trabalho do dia. Amarrada numa toalha daquelas que não seca por nada, cabelo empoeirado amarrado num coque, a franja caída no rosto cheio de tinta branca. Por alguns segundos, não me reconheci.

Meus pés, outrora tão macios, exibem orgulhosos uma crosta de sujeira e pele rígida. A pedra pomes está, inutilizada desde que cheguei em Israel, me esperando no meu real quarto, que abandonei quando foi pintado e até agora não voltei. Não porque o cheiro de tinta ainda esteja lá, mas porque dormir no quarto da Sharon, com ela e Inbar, me faz me lembrar dos meus tempos de Rua Presidente Carlos de Campos, dormindo com minhas irmãs no mesmo quarto, perguntando depois de 5 minutos de silêncio: “Mila, você está dormindo?” enquanto brincava com a Fefa no escuro de colocar o dedo dentro da boca dela pra ela tentar morder. 3 meninas dormindo juntas, eu na cama de baixo. O que era uma cama com linda carpintaria na minha infância se transformou num colchão no chão sujo, mas não menos aconchegante.

20 anos se passaram e hoje eu não me reconheci. Difícil traçar uma linha do tempo desde a menina que emburrava por tudo, até quem eu sou agora. Quem sou eu agora? Uma viajante sozinha, mas não solitária, longe de tudo e cada vez mais perto de mim.

Há 2 meses na saga, numa toalha xexelenta, num banheiro apertado, não me reconheço. E de alguma forma, gosto de não me reconhecer. Significa que estou me reconstruindo, que me afastar do espelho de corpo inteiro do meu armário e ter que me enxergar nesse espelho minúsculo, pendurado na altura da minha barriga tem me feito repensar minha imagem. E reconstruí-la de dentro pra fora. Não me reconhecer me mostra que começo a me conhecer de verdade.

cabelos brancos

Esse post foi publicado em na cabeça, no coração e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Longe, cada vez mais perto

  1. Adelia Bergier disse:

    Querida Carol:
    Que boas lembranças……….beijos…beijos…….beijos………Adelia

  2. issa disse:

    linda, cada vez mais brilhante, mais transparente, mais etérea, mais sublime. mais alma e mais viva!

  3. Paula disse:

    “E reconstruí-la de dentro pra fora.” Acho isso essencial!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s