Chega de chuveiro salgado!

Depois de uma semana de banho com água salgada, lar DOCE lar. Estranho pensar que Ubud virou lar, mas essa foi a sensação quando eu voltava de Gili-Air. Sabe aquela tristeza misturada com felicidade de quando você está chegando em casa depois de um tempinho de férias? A saudade do banheiro e do conforto diluída nas memórias das lindas paisagens vistas nos últimos dias? Então… foi assim que me senti a voltar pra cá. Sim, Ubud virou casa.

Foram 5 dias em Gili-T e 2 em Gili-Air. A primeira ilha é a mais festeira das 3 (tem também Gili-Meno, que não visitamos). Foi lá que mergulhamos e vimos tartarugas gigantes, conhecemos gente nova, gente boa e gente não tão boa. Mas, definitivamente, Gili-Air era mais nossa praia. Majoritariamente, quem vai pra Gili-T lá é uma galera da bebida, cogumelos e maconha (parece que essas ilhas são controladas por um tipo de milícia e a droga é consumida livremente). Nada contra, mas nossa vibe era outra. Então escolhemos um bangalô mais afastado assim que entendemos o clima do lugar. Longe do centrinho, a vida é pacata e silenciosa. Demos a volta na ilha de bike, fizemos muuuuuitos vídeos – e nos prometemos editar tudinho – continuamos no desafio de evitar a todo custo a palavra “não”, dançamos na praia e consequentemente respondemos a inúmeras pessoas que perguntavam se estávamos encogumeladas, comemoramos o aniversário da Iá, abrimos a pista de dança, dormimos meladas de água salgada, pegamos muuuita chuva. Depois de 5 dias, era hora de mudar de ilha.

da cor do mar

eita, vida bôua!

Parabéns, Iaiá!

magic

Fomos pra Air. E lá nos encontramos. Pena termos demorado tanto pra tomar a decisão de nos mudar. Air é mais tranqüila, menos gente, menos barulho, menos drogas. Exatamente o que precisávamos. Teria passado mais dias por lá admirando o mar azul turquesa mais incrível que já vi, se a água do chuveiro fosse menos incômoda. Além de salgada, fedia a esgoto. Banho nem pensar. Meu limite do perrengue terminou. Precisava voltar.

A idéia era sair de lá ontem. A Petria chegaria em 2 dias (falei dela por aqui? Lembram da entrevista que dei pro programa Caminhos Alternativos da CBN? Então, foi ela quem me entrevistou. De lá pra cá, nos tornamos amigas virtuais – viva a internet!- e ela está vindo pra Bali ficar aqui em casa) e eu queria finalizar umas coisas antes de sua chegada. Fazia sol depois de muitos dias chuvosos e uma parte de mim queria ficar na ilha enquanto outra estava pronta para organizar pendências. Afinal, só tinha um dia e meio antes de recebê-la. A cabeça tava entrando em parafuso, eu tinha 5 minutos pra decidir o que fazer, o barco estava saindo em meia hora. Felizmente, uma das coisas que aprendi nesses últimos meses foi: “tá na dúvida? Medita por 5 minutinhos”.

Em 30 segundos, a resposta veio: “cheque seu e-mail e só então tome uma decisão”. Por sorte (até parece que ainda acredito em sorte…), estávamos em um dos poucos lugares com internet da ilha e por mais sorte ainda (vulgo “mão do Universo”), meu computador estava na mochila. Abro o e-mail e pimba! Dito e feito. Lá estava. O vôo da Petria precisou ser adiado e ela só chegaria em 10 dias. Tirei a roupa, peguei meu livro e me estirei na espreguiçadeira. Viva o sol, a intuição, a internet. Afinal, são tudo a mesma coisa: luz que nos faz estar conectados com o todo.

harbour

Esse post foi publicado em na saga e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Chega de chuveiro salgado!

  1. Celia S. disse:

    Parece até que vc estava na aula de ontem =))

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s